• Visitantes do Site

    contador de visitas
    VISITANTES
  • VEREADORA NO EVENTO DO ROYALTIES

    Clique na Imagem para abrir!
  • SOS REGIÃO SERRANA

  • MINHA BANDEIRA


    O povo me elegeu e por ele eu luto e lutarei!
  • CONTRA A EMENDA IBSEN


  • O PODER DA MULHER QUE ORA

  • TWITTER

  • ARQUIVOS:

  • DOE SANGUE


  • DENUNCIE


  • VILMA DOS SANTOS NA INTERNET

  • VÍDEO 01

  • VÍDEO 02

  • VÍDEO 03

  • VÍDEO 04

Ela comanda um petroleiro

Primeira mulher a assumir o cargo mais importante de um navio da Marinha, Hildelene muda a história e mostra que o lugar delas é no leme.

Há dois anos no comando de um navio-tanque, a paraense Hildelene Lobato Bahia, de 37 anos, é a única brasileira no posto mais alto da hierarquia marítima brasileira. Formadaem Ciências Contábeispela Universidade Federal do Pará (UFPA), Hildelene já passou mil e setecentos dias a trabalho no mar e atravessou oito vezes o Estreito de Magalhães, que une os oceanos Pacífico e Atlântico, no extremo da América do Sul. Pioneira, a paraense abriu espaço para todas as mulheres que desejam seguir carreira na Marinha Mercante do Brasil e alcançar a função de comandante, antes privilégio apenas dos homens.

Hildelene conta que quando era mais jovem não pensava em integrar a esquadra. Mas decidiu fazer o concurso público em 1997, para incentivar o irmão que tinha o sonho de integrar o quadro da força naval. Na época, ela estava na universidade e não imaginava que passaria na etapa eliminatória, que tinha provas teóricas de Matemática, Física, Língua Estrangeira e outras disciplinas. “Confesso que achava que tinha sido eliminada devido à falta de tempo para os estudos”, relembra. Hildelene estagiava o dia inteiro e estudava para outro concurso público. Ao contrário das expectativas, ela passou e foi selecionada para a última fase, a dos testes físicos. Naquele momento, Hildelene ficou frente a frente com seu primeiro grande desafio: enfrentar a água, porque não sabia nadar. “Quando saiu a classificação, procurei meu antigo professor de educação física e aprendi a nadar em 15 dias. Na prova de natação, para a minha surpresa, fui a primeira colocada”, conta. Desde então, a paraense passou por diversos cargos dentro da Marinha até chegar ao atual, a de comandante de navio.

Casada há 7 anos e hoje moradora do Rio de Janeiro, ela conta que também é graças ao mar que conheceu o marido. “Ele também é marítimo e um dos maiores incentivadores da minha carreira, junto com meus pais”, diz. Para conciliar família e trabalho, os dois tentam agendar juntos os períodos que ficam no navio. “Eu trabalho no regime de 90 dias embarcado por 30 dias de repouso”, explica. O petroleiro que Hildelene comanda o Carangola, da Transpetro (ligada à Petrobras),  transporta derivados escuros de petróleo entre portos dos litorais brasileiro, uruguaio e argentino. No momento, ela e a equipe trabalham no escoamento da produção de óleo dos campos de Urucu, em Coari (AM), para a refinaria de Manaus.

No comando de 40 pessoas, a maioria esmagadora de homens (38 contra 2 mulheres), Hildelene afirma que não se intimida em dar ordens a eles. “A aceitação no comando do navio é igual, independentemente do sexo”, pondera. Apesar da afirmação, a comandante conta que ao passar pelo Bahrein, no Oriente Médio, em uma de suas viagens, sentiu claramente a diferença de ser mulher numa profissão historicamente masculina: “Quando cheguei ao estaleiro, coloquei meu macacão, fui para o convés verificar o andamento dos serviços e vi aquela diversidade de indianos, nepalenses e árabes. Percebi que todos pararam para me olhar, pois não era comum uma mulher como imediato em navios e, muito menos, dando ordens aos homens a bordo.”

Hildelene diz que as mulheres devem investir na carreira na Marinha, porque a área tem crescido com a expansão dos estaleiros brasileiros. “O diferencial feminino está nos detalhes e na visão mais aguçada para tomar decisões”, diz. Em breve, ela vai quebrar outro tabu ao dividir os dois postos mais altos da Marinha com outra mulher, Vanessa Cunha. Como comandante e imediato, elas vão liderar o navio Rômulo Almeida, uma das 49 novas embarcações em construção para a Transpetro.

Parabéns para essa bela mulher, Hildelene. Sua beleza está na determinação pelo que faz. Você é um exemplo de Mulher que lutou e conquistou um novo território profissional, mostrando a todos que de sexo frágil, nós mulheres não temos nada. Sou uma cidadã que me orgulho de mulheres que lutam por uma profissão honrada. Seja qual for ela. E que você possa servi de espelho para tantas outras mulheres, que assim como você, venha lutar, batalhar, em busca de condições melhores de vida e direitos iguais. Você é um orgulho para nós mulheres brasileiras. Mais uma vez parabéns. 

São os meus honrados votos, Vereadora Vilma dos Santos. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: