• Visitantes do Site

    contador de visitas
    VISITANTES
  • VEREADORA NO EVENTO DO ROYALTIES

    Clique na Imagem para abrir!
  • SOS REGIÃO SERRANA

  • MINHA BANDEIRA


    O povo me elegeu e por ele eu luto e lutarei!
  • CONTRA A EMENDA IBSEN


  • O PODER DA MULHER QUE ORA

  • TWITTER

  • ARQUIVOS:

  • DOE SANGUE


  • DENUNCIE


  • VILMA DOS SANTOS NA INTERNET

  • VÍDEO 01

  • VÍDEO 02

  • VÍDEO 03

  • VÍDEO 04

INÍCIO DO TORMENTO – ORIENTAÇÃO DO PASTOR

Coloquei o meu vestido novo, minha tia prendeu meus cabelos com uma flor vermelha e meus sapatos eram brancos com laço de cetim. Todos diziam que eu estava linda, eu também achava. Chegou a hora de cortar o bolo: cantamos parabéns e depois das fotos eu estava liberada para brincar com meus colegas.

Começamos a brincadeira de pique-esconde. Já era noite, então ficava mais gostoso, pois seria mais difícil alguém me encontrar. Eu me achava muito espertaem esconderijos. Comomorava em um sítio, eu tinha muitas opções. Minha mãe sabia que eu gostava muito de me esconder, às vezes até me ajudava a encontrar alguns esconderijos.

Mas nesse dia foi diferente, foi quando começou o meu tormento. Um, dois, três, quatro… Contava Dora para vir nos procurar. Mais do que depressa fui para meu lugar atrás da casa do caseiro, que já estava sem ninguém há um ano, pois ele voltara para sua terra natal e meu pai ainda não havia encontrado outro para assumir o seu lugar.

Fiquei lá atrás, bem quietinha, sem fazer nenhum barulho. De repente, ouvi o nosso vizinho, o Tony, que sempre brincava comigo, me chamar. Disse que tinha algo para me mostrar. Como ele sempre foi muito carinhoso comigo, me dava presentes e doces, e era amigo do meu pai, achei que não tinha nenhum problema. Ele me levou para dentro da casa do caseiro e eu falei:

– Tony, essa casa está vazia e cheira mal, quero voltar para brincar com meus amigos.

Ele me pegou pelo braço com toda força, tapou minha boca com sua mão enorme e disse:

– Se contar o que está acontecendo aqui, eu mato sua mãe!

Pensei:  “Minha mãe, não, meu Deus! Minha mãezinha, não! Não posso deixar! O que eu faço? Não posso gritar e não tenho a força que ele tem!”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: