• Visitantes do Site

    contador de visitas
    VISITANTES
  • VEREADORA NO EVENTO DO ROYALTIES

    Clique na Imagem para abrir!
  • SOS REGIÃO SERRANA

  • MINHA BANDEIRA


    O povo me elegeu e por ele eu luto e lutarei!
  • CONTRA A EMENDA IBSEN


  • O PODER DA MULHER QUE ORA

  • TWITTER

  • ARQUIVOS:

  • DOE SANGUE


  • DENUNCIE


  • VILMA DOS SANTOS NA INTERNET

  • VÍDEO 01

  • VÍDEO 02

  • VÍDEO 03

  • VÍDEO 04

14 de junho: Dia Universal de Deus

O Dia do Criador

Com tantos pretextos usados para criar datas comemorativas, o Divino Criador também foi homenageado no calendário.  No calendário cristão existem datas que servem de referência para todo o mundo, como é o caso do Natal e da Páscoa, mas o dia 14 de junho não se apresenta como um tipo de resgate das tradições religiosas do cristianismo.

O Dia Universal de Deus, considerado um mistério para muitos, é uma ocasião que ajuda a pensar e refletir sobre a figura abstrata de Deus.  Não há uma única religião que argumente com exclusividade sobre esta data, na verdade o dia procura reunir as concepções ao invés de separá-las.

Quando se fala a respeito de Deus, muitos associam esta poderosa figura a eternidade, a onipotência, a divindade e ao sobrenatural. Entretanto, a existência do criador de todas as coisas é interpretada de forma diferente pelos povos, variando de acordo com a crença ou discurso religioso.

A existência de Deus sempre foi responsável por aquecer grandes discussões entre os povos e motivou a criação dos livros sagrados que ditam os ensinamentos das religiões, como é o caso da Bíblia (cristianismo), do Alcorão (islâmico) e da Torá (judaísmo).

Deus ao longo da história

Existem várias visões sobre Deus, que variam de acordo com a época e cultura. Na Antiguidade, época em que se floresceu a mitologia grega, as pessoas acreditavam em vários deuses, sendo que o maior deles é Zeus.

Na Idade Média, período marcado pelo Teocentrismo e domínio da Igreja Católica, pensadores como Santo Agostinho e Tomás de Aquino elaboraram teorias defendendo a existência de um único Deus, supremo e sagrado.

No Oriente, as tradições relacionadas a Deus continuavam fortes e recheadas de capital simbólico, como é o caso do Budismo, que cultua a existência de um único Deus e na reencarnação.

O Teocentrismo perdeu a sua força com o Iluminismo, pois os pensadores começaram a sustentar a ideia de que o homem estava no centro do universo e agia por causa da sua racionalidade. A figura de Deus, temida e louvada, foi deixada de lado pelos iluministas, que passaram a ver o mundo com os olhos da razão e impulsionados pela ciência.

Enquanto de um lado estão os fiéis que sustentam a imagem de um Deus, do outro lado estão os ateus. As pessoas que não acreditam no criador condenam os dogmas transmitidospelas crenças e buscam justificativas nas visões cientificas. No entanto, nem tudo a ciência é capaz de explicar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: